Os endereços IPv4 na Europa estão esgotados, a adoção do IPv6 ainda é baixa

Para a maioria dos utilizadores de computador, a Internet é um lugar quase mágico, onde se digita endereços legíveis por humanos num navegador e depois é-se servido com a página Web correspondente. Nos bastidores, esses endereços Web ou URLs, como são conhecidos, são mapeados para quatro grupos de três dígitos que servem como o endereço da máquina do website. Embora esses endereços possam ser apenas numéricos e virtuais, na verdade há um limite para quantos deles podem existir e a Europa acabou de ficar com endereços IPv4 totalmente esgotados, e apesar disso, o seu sucessor, o IPv6 permanece praticamente ignorado.

O IPv4, abreviação de Internet Protocol versão 4, é a quarta versão do sistema que entrega endereços exclusivos para cada uma das máquinas ligadas à Internet. Usa um endereço de 32 bits, o que significa que pode acomodar 232 endereços exclusivos, tecnicamente são 4.294.967.296 endereços. O facto de estarmos quase com quase 4,3 bilhões de endereços pode chocar para alguns, mas isto já foi previsto há muito tempo.

O número de dispositivos que se ligam à Internet explodiu nos últimos cinco anos. Não apenas os smartphones já ultrapassaram bilhões, mas o nascimento da Internet das Coisas (IoT = Internet of Things) também tornou a Internet um lugar mais congestionado. Desde alto-falantes inteligentes a carros inteligentes, todos precisam dos seus próprios endereços, mesmo que o ISP só entregue apenas um.

O RIPE NCC, órgão encarregado de distribuir os endereços IPv4 na Europa que recebeu da IANA (Internet Assigned Numbers Authority) fez o anúncio mais assustador. Ficou sem endereços IPv4 para dar. Obviamente, poderá recuperar alguns endereços não utilizados ou mortos, mas esses números serão apenas centenas em comparação aos milhões necessários para os países da região.

O IPv6, que aumenta o espaço de endereço para 128 bits, já existe há muito tempo para substituir o IPv4 devido a esse cenário de "dia do juízo final". Infelizmente, a adoção do novo padrão tem sido incrivelmente lenta e o anúncio do RIPE NCC deve ser tomado como um alerta para que todas as partes envolvidas acelerem o ritmo.

Da minha parte, só posso solicitar o seguinte: Verifica se tens IPv6 (podes verificar se tens IPv6 neste link). E caso não tenhas, solicita ao teu operador que te forneça IPv6. Se tens serviços na Web (como websites ou VPS), verifica igualmente se tens. Não é tarde para solicitar IPv6. O IPv6, quando bem configurado em todas as partes, é tão ou mais rápido que o IPv4 e tem a vantagem de ser mais seguro.

Bruno Carvalho


Friday, December 13, 2019